Archive for abril, 2013

Será que você interpreta corretamente todos os movimentos do seu bebê?

Abrir os olhos, piscar, bocejar, segurar, apertar e soltar objetos, balbuciar sílabas e palavras inexistentes – toda novidade passa a ser um espetáculo digno de admiração (e comemoração) nesse processo. Porém, quando tentam interpretar movimentos simples como esses, algumas pessoas enxergam além do que deveriam.

Um exemplo: quando um bebê com poucos meses de vida começa a emitir sons parecidos com gritos, o que pode estar acontecendo? Muitos responderão, com toda certeza, que ele está tentando chamar atenção e mostrar que está incomodado com alguma coisa. Essa, no entanto, não é a interpretação correta (já que isso acontece apenas quando ele tem mais de 3 ou 4 meses). Quando ainda é bem novinho, o bebê costuma “gritar” simplesmente para treinar as cordas vocais e reconhecer os limites da própria voz. Pode ser, então, que não esteja querendo dizer absolutamente nada!

Conheça alguns comportamentos comuns dos bebê e o que podem significar:

Sorrir

Depois de uma tarde cansativa, você chega perto do berço do seu filho, chama-o pelo nome e ele, adormecido, ameaça abrir um sorriso. Pronto, seu dia ficou instantaneamente mais feliz! Sem jogar um balde de água fria em você (com certeza seu bebê já tem uma ligação sentimental forte com você), mas isso pode não ser uma demonstração de amor. Antes de qualquer coisa, é uma demonstração de bem estar. Até o primeiro mês de vida, os sorrisos aparecem quando o bebê está dormindo como reflexo a qualquer tipo de sensação agradável. Ou seja, ele pode sorrir em qualquer momento que estiver bem alimentado, bem cuidado e em um ambiente quente e aconchegante.

Gritar / Balbuciar

Por volta dos 3 meses, o bebê começa a emitir sons parecidos com gritos. Depois de mais algum tempo, começa a balbuciar sílabas. Mas não precisa quebrar a cabeça em nenhum desses casos. Quando ele “grita”, não quer dizer que está irritado, e, quando balbucia, não quer dizer que está tentando alertar sobre alguma coisa (até porque, nessa idade, ainda não consegue estabelecer relações entre os sons e as palavras). A situação é simples: provavelmente ele está apenas treinando as cordas vocais, emitindo sons enquanto reconhece a própria voz.

Jogar objetos

Você prepara a papinha com todo o cuidado e carinho e coloca seu filho no cadeirão para alimentá-lo. Só que, depois da primeira colherada, ele empurra o pratinho e o derruba no chão. Naquele momento, você pensa: minha comida deve estar horrível! Engano seu. Os bebês são extremamente curiosos em relação ao mundo. Quando derrubam um objeto, querem apenas ver o que vai acontecer quando cair no chão. É uma fase de descobertas constantes, eles não nascem sabendo relações de causa e consequência. Seu filho repetirá movimentos como esse algumas vezes, e você, aos poucos, deve ensiná-lo o que pode e o que não pode fazer.

Vale frisar que, de tudo isso, o mais importante é a comunicação geral que o bebê estabelece com os pais. Basicamente, quando ele costuma fazer contato visual com o pai e a mãe e mantém uma expressão tranquila na maior parte do tempo, quer dizer que o ambiente em que está inserido está saudável. Significa que os pais não precisam se preocupar, pois estão no caminho certo.

 

Texto de Elisa Freres

Fonte: Revista Crescer

No comments

Qual médico? Em busca do obstetra ideal…

A gravidez é um momento mágico, no qual todas as escolhas e decisões são da maior importância. E, quando o assunto é a saúde da gestante e do bebê,a busca pelo obstetra ideal para acompanhar o casal nessa grande aventura deve ser cercada de cuidados e muitas informações. Afinal não há espaço para dúvidas ou erros. Geralmente, quem procura um obstetra é a mulher que engravida pela primeira vez e não tem um ginecologista fixo. Há também pacientes que querem um novo médico porque o anterior não corresponde mais às suas necessidades. Seja qual for o motivo, o objetivo é encontrar um profissional que reúna o maior número de qualidades consideradas essenciais pela futura mãe. E, além dos requisitos obrigatórios — ser formado em medicina com especialização em obstetrícia —, também estão em jogo aspectos subjetivos, pois um médico que se preocupa com a vida pessoal da paciente pode ser ótimo para uns e intrometido para outros. O que conta mesmo é aliar a experiência ao jeito de ser e de pensar do casal.

Pelo plano ou particular?
Você pode optar por um profissional na lista do convênio e marcar uma consulta para avaliar se ele é adequado para acompanhar a sua gravidez. Mas sempre é bom tentar uma indicação de amiga que foi atendida pelo profissional ou de outros médicos do convênio que você conhece. Marque quantas consultas forem necessárias até encontrar o médico que lhe agrade. Se você não tem um convênio ou prefere usar o reembolso para ampliar as opções, vale ainda o critério da indicação. Outro quesito importante passa a ser o preço. Quanto mais o médico é renomado e oferece sofisticação da aparelhagem, mais caro custa. Negocie: divida o pagamento, peça um prazo maior para saldar a dívida, faça pacotes.

Perguntar é preciso
Não tenha vergonha de pesquisar sobre o médico. Saiba em que universidade ele se formou, se participa de congressos, se está atualizado. Também tenha clareza do que vocês desejam. Preferências sobre o tipo de parto, por exemplo, são fundamentais para orientar a escolha do profissional. Não adianta querer um parto em casa com um profissional que nunca fez isso.

Segunda opinião, pode…
A gestação é um período delicado, que pode envolver riscos. Por isso, nunca é demais, em casos de dúvida, ouvir uma segunda opinião.Você tem o direito de consultar outros médicos,caso se sinta insegura ou não entenda o que está sendo feito. Um bom médico, além de ter maturidade para aceitar isso, também pede opiniões a outros colegas.

(Fonte: Revista Crescer)

 

No comments

A introdução de alimento antes do 6º mês é preocupante e pode favorecer o desenvolvimento de doenças crônicas na criança

  shutterstock

Uma das primeiras orientações que as mães recebem é a de que é importante amamentar seus filhos até os 6 meses de idade, quando começa a introdução de alimentos sólidos e pastosos na dieta. Porém, um novo levantamento realizado pelo Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos mostrou que 40% dos pais estão dando alimentos aos pequenos antes dos 4 meses de vida.

O maior porcentual foi encontrado entre os bebês que eram, anteriormente, alimentados com fórmulas (52,7%) e a menor, entre as crianças que só consumiam leite materno (24,3%). “Meu bebê está com fome”, “Já tem idade suficiente”, “A comida ajuda meu bebê a dormir”, “Meu filho quer experimentar o que eu como” e “Meu médico me orientou assim” são as principais justificativas mencionadas pelos pais para a antecipação dos alimentos.

Os pesquisadores responsáveis pelo estudo alertam para o fato de que amigos e parentes também podem influenciar nas decisões das mães em relação à alimentação infantil. Um estudo anterior revelou que as opiniões da família eram o fator mais importante para as mães de baixa renda decidirem se iriam amamentar ou não a criança.

Para o pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo, apresentar a comida sólida antes da hora pode prejudicar a formação do sistema imunológico da criança. “Somente o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses é capaz de fortalecer o organismo do bebê. Por mais que a mãe zele pela composição e qualidade da dieta, se o sistema imunológico ainda não está completamente formado, há também o risco de alergias alimentares precoces e até doenças crônicas”, avisa o especialista.

A primeira papinha

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que a primeira papinha comece a ser dada a partir dos 7 meses. Águas, chás ou quaisquer outros alimentos devem ser evitados até esse período, por mais que os pais os considerem leves ou inofensivos.

Além de respeitar a idade certa, a introdução dos alimentos na dieta do bebê deve ser feita de forma gradual. O pediatra Victor Nudelman do Hospital Israelita Albert Einstein (SP) explica abaixo o melhor jeito de começar:

1 – Escolha um dia e ofereça um suco de laranja-lima no meio da manhã, entre uma mamada e outra – e não perca por nada o rostinho de espanto que o bebê vai fazer ao experimentar o novo sabor.

2 – Comece a oferecer as papinhas de frutas depois de três, quatro dias. Escolha um horário entre as mamadas na parte da tarde e observe se o organismo da criança reage bem.

3 – Depois de uma semana, organize o horário das mamadas para oferecer a papinha salgada na hora do almoço. Continue com o suco e a papinha de frutas no lanche.

4 – Quando o bebê já estiver habituado, é hora de dar a papinha salgada no jantar, também. E papinha de frutas como sobremesa, nas duas refeições.

Quantidade ideal

Algumas crianças comem mais do que as outras e, aos poucos, os pais conseguem estabelecer o ‘tamanho do prato’ ideal para o filho. Mas aí vão algumas referências para começar:

– dos 6 aos 9 meses: de quatro colheres (das de sopa) a uma xícara
– dos 10 aos 12 meses: uma xícara cheia
– de 1 a 3 anos: um prato infantil completo

Atenção aos temperos

A papinha é o primeiro contato do seu filho com os novos sabores. Para estimular essa degustação da melhor maneira possível e evitar problemas de saúde, a regra é temperar com pouco sal. A dica da nutricionista Andréia Veiga, da empresa Pequenos Gourmets, é usar, nas refeições salgadas, ervas naturais, como salsinha, cebolinha, manjericão e orégano, cortadas em pedaços bem pequenos, para serem mastigados facilmente. Temperos fortes como pimenta e curry são vetados. Para as primeiras saladas, use tempero como azeite, cebola e uma pitadinha de limão. Evite qualquer aromatizante, como açúcar, canela e cravo, nas papinhas doces. A própria fruta confere a doçura necessária para deixar a refeição gostosa.

 

Texto: Andressa Basilio /Fonte: Reprodução Site Revista Crescer

No comments